• por Anelise Freitas

Como lidar com o Bloqueio Criativo?



A primeira coisa é saber que o bloqueio criativo não é um vilão da escrita. Para ilustrar, vou narrar uma crônica de quando eu tinha 12 ou 13 anos e a professora de redação nos pediu a escrita de um texto de temática livre. Eu não sabia o que escrever, na hora bateu aquele vazio. Então, a menina que se sentava na minha frente disse: "Professora, eu estou sem criatividade. Posso escrever sobre isso?". Eu não me lembro sobre o que escrevi naquele dia, mas lembro dessa menina driblando o bloqueio criativo com o próprio bloqueio. Moral da história: faça suco do limão, crie o antídoto com o veneno, use o bloqueio a seu favor!


Uma coisa interessante é nunca deixar de escrever, assim você se torna menos dependente da inspiração. Crie sua própria rotina de escrita. Isso não quer dizer que todo dia você vai escrever o novo clássico da literatura brasileira, mas escrever com regularidade pode te levar a isso. A escrita não é um dom. Escrita é trabalho. Quanto mais você escreve mais proficiente será. Além disso, essa rotina ajuda a diminuir o perfeccionismo, que é um aliado do bloqueio criativo.


Seja ridícula! Permita-se escrever livremente e sem medo de ser ridícula. Muitas vezes a gente cria tanta expectativa enquanto escreve um texto que bloqueamos tudo. Como sabemos, mesmo que inconscientemente, que é impossível sermos perfeitos, não conseguimos escrever por medo de não "chegarmos lá" (mesmo que a gente não saiba que lugar é esse). O melhor a se fazer é relaxar e aceitar - não de maneira resiliente - que nem sempre dá pra "chegar lá", mas que o caminho que fazemos pode ser bem mais interessante do que o "lá".


Leia! Bateu aquele bloqueio? Corre pra uma leitura que te inspire. Vale até repetir livro. Se não quiser ler, você pode substituir a leitura por um filme ou uma série. O importante é desviar a atenção daquilo que está gerando o bloqueio, mas de uma maneira criativa e que seja capaz de colocar a cabeça pra funcionar ligada nesse modo. Enquanto lê ou assiste um filme, tente fazer anotações de pontos de chamaram a atenção na narrativa, palavras que você achou interessante e até ideias aparentemente aleatórias. Lembre-se, quantidade não tem nada a ver com qualidade. Então, você não precisa ler um saga e nem assistir a uma trilogia. Foque naquilo que for mais interessante e fizer mais sentido pra você.


E, por fim, nunca deixe de levar aquele caderninho na bolsa. Ele é campeão naquele momento que falta bateria ou espaço no celular. O caderno funciona como um livro de registros. Nele você vai anotando tudo que for interessante: palavras, coisas que se ouve no dia a dia, ideias aleatórias. Então, quando bater o bloqueio basta você recorrer ao seu "livro de registros" e se deliciar com as coisas que a gente anota e, muitas vezes, nem se lembra.


Enfim, o resumo da ópera é: mantenha-se ativa; não deu pra escrever sobre o que você queria, pula pra outra coisa. Não se frustre porque encontrou um muro. Pule o muro.


Posts recentes

Ver tudo

©2020 por MATINTA 

MATINTA * tipo ideia no papel

CNPJ  35.653.597/0001-58

Rua Vila Rica, 15/401 - São Mateus - Juiz de Fora/MG